domingo, 14 de Fevereiro de 2010

História dos Surdos no Mundo - cont.

Da Idade Moderna à Idade Contemporânea


  • Rudolphus Agricola – 1443- 1485

Interessou-se pelo mundo dos surdos, escreveu um livro “De inventione Dialectica”, no qual afirmou que uma pessoa surda de nascença pode expressar-se através da escrita (desejos, sentimentos, …). Este livro só foi publicado 100 anos mais tarde.


  • Girolamo Cardano – 1501-1576

Foi um médico italiano que tinha um filho surdo e tomou contacto com o livro de Agricola. Ele concordou que “o sentido da audição e o uso da fala não eram indispensáveis à compreensão das ideias”. Cardano acreditava que os surdos precisavam de aprender a ler e a escrever, tarefa que considerava difícil mas não impossível. Afirmou, ainda, que é possível expressar os pensamentos quer através de palavras quer de gestos.


  • Pedro Ponce De Leon – 1520- 1584

Monge católico, fundou a primeira escola do mundo para surdos, no Mosteiro de S. Salvador, perto de Madrid, Espanha. O seu objectivo era “ensinar os surdos a escrever, enquanto apontava com o dedo o objecto que estava a ser representado através da escrita, depois exercitava, através da repetição frequente, os surdos a vocalizar as palavras. Os registos do Método de Leon foram destruídos num incêndio.


  • Juan Pablo Bonet – 1579 – 1620

Em 1620 publicou o livro “Redução das Letras e Arte para Ensinar a Falar os Mudos”. Ele acreditava que os “surdos-mudos” deviam aprender um alfabeto manual utilizando gravuras que mostravam a posição da mão para cada letra, antes de iniciar a aprendizagem da leitura e da escrita e também da leitura labial.


  • John Bulwer – 1614 – 1684

Médico inglês publicou os seus 2 primeiros livros em 1644 intitulados: “Linguagem Natural da Mão” e “A Arte da Retórica Manual”. Estava convicto que a “linguagem da mão” era a “única linguagem natural para todos os homens, particularmente para os surdos”, através da utilização de um alfabeto manual.

Em 1648 publicou “O amigo do Homem Surdo e Mudo”, o 1º livro inglês que explicava a especificidade da surdez e os problemas de linguagem que a acompanham, mas não se dedicou ao ensino de surdos.


  • George Dalgarno - 1626- 1687

Intelectual escocês que em 1680, publicou um livro – “O tutor do Homem Surdo e Mudo”. Neste livro explana diferentes teorias sobre formas de ensinar linguagem aos surdos. Acreditava que era possível ensinar surdos a falar e fazer leitura labial, mas aconselhava o ensino do alfabeto manual. Aconselhava as mães a utilizar a soletração manual enquanto apontavam determinados objectos.


  • Johan Konrad Amman – 1698 – 1774

Doutorado em Medicina, interessou-se pela educação de surdos com idades entre 8 e 15 anos. Pretendia que os seus alunos “tivessem uma boa voz e que a controlassem bem”. Descobriu que “eles sentiam as vibrações da sua voz quando colocavam as mãos sobre as suas gargantas. A leitura labial era também um dos seus objectivos.

Amman acreditava que o uso da Língua Gestual atrofiava a mente, relativamente ao desenvolvimento da fala e do pensamento. No entanto, utilizava alguns gestos e o alfabeto manual como meio de atingir a fala, embora não o admitisse publicamente.


  • Charles Michel De L’Eppe – 1712 – 1789

Nasceu em França e era padre. Interessou-se pela educação de surdos. Criou um abrigo para surdos em Paris e começou a educar surdos em condições de escola. Vivia com os surdos, supria as suas necessidades físicas, vestia-os e alimentava-os. Em 1776 publicou o livro “Instrução dos surdos-mudos usando símbolos metodológicos”. Escreveu um dicionário para uso dos surdos-mudos (que continha mais explicações do que signos).


  • Jacob Rodrigues Pereira – 1715 – 1780

Importante professor de surdos, filho de pais portugueses. Ensinava pequenos grupos de surdos e tinha como lema “Não existirão mais surdos-mudos, mas sim surdos que falam”. O seu método permaneceu secreto: morreu com o seu autor.


  • Thomas Braidwood (1715-1806)

Em 1760, fundou, em Edimburgo, a primeira escola na Grã-Bretanha como academia privada. Em 1783, transferiu-se para Londres e recomendou o uso de um alfabeto onde se utilizassem as duas mãos que ainda hoje está em uso na Inglaterra.


  • Samuel Heinicke (1727-1790)

Os métodos de Heinicke eram estritamente orais. Opôs-se fortemente à utilização da língua gestual. Teve grande sucesso no ensino a um jovem que aprendeu a falar, a ler os lábios e a escrever. Em 1778, abriu a primeira escola para os surdos na Alemanha. Ficou conhecido como o Padre do Método Alemão.

O seu grande objectivo foi conseguir que os surdos falassem. Considerava que o método para ensinar o surdos, através da dactilologia, era perigoso e prejudicial para os seus alunos.

Heinicke concluiu que os surdos deviam, 1º, aprender a falar e depois escrever, tal como as crianças ouvintes.

Sem comentários:

Enviar um comentário